Maria Marcondes | @mariamarcondess

Somos muito parecidos, de jeitos inteiramente diferentes: somos espantosamente parecidos. Perdoe a minha precariedade e as minhas tentativas inábeis, desajeitadas, de segurar a maçã no escuro. Me queira bem. Estou te querendo muito bem neste minuto. Tinha vontade que você estivesse aqui eu pudesse te mostrar muitas coisas, grandes, pequenas, e sem nenhuma importância, algumas. Fique feliz, fique bem feliz, fique bem claro, queira ser feliz. Você é muito lindo e eu tento te enviar a minha melhor vibração. Mesmo que a gente se perca, não importa. Que tenha se transformado em passado antes de virar futuro. Mas que seja bom o que vier, para você, para mim. Caio Fernando Abreu. (via recomendar)

(Source: cher-la-vie, via solicitar)

Minha vida mudou muito nos últimos anos. Eu mudei muito nos últimos anos. Mudei sem oferecer a menor resistência. Mudei sem me surpreender com as mudanças. Elas simplesmente apareceram, aconteceram, me invadiram e se instalaram. Então, eu finalmente me senti em casa dentro de mim mesma. E hoje, mais do que nunca, sinto que não devo nada para ninguém. A gente demora demais para se livrar de pesos e culpas. Mas um dia, finalmente, a gente acorda. E descobre que tem uma vida inteirinha pela frente. Clarissa Corrêa.   (via s-i-m-p-l-i-f-i-c-a-r)

(Source: embriagar-se, via solicitar)

O mundo fica mais bonito quando a gente carrega coisas boas no peito.

(Source: presonoamor, via do-que-valem-os-dreads)

Um dia vai dar certo, ah vai. Mas antes disso vai dar tudo errado. Tudo. Você vai se decepcionar com as pessoas que mais gosta. Vai tirar notas ruins mesmo tendo passado a noite estudando. Vai brigar com a sua mãe. Vai cortar o cabelo e achar que ficou horrível. Vai ver o namorado com a sua melhor amiga. Vai perder pessoas que ama. Vai cair de cara no chão. De novo. E de novo. E quando você não tiver mais forças pra se levantar, vai aparecer alguém pra dar a mão e te levantar. É ele. Deu certo. Tati Bernardi.   (via t-a-q-u-i-c-a-r-d-i-a)

(Source: jaquesampaio, via t-a-q-u-i-c-a-r-d-i-a)

Esse negócio de “eu só me arrependo do que eu não fiz” nunca me emocionou. Arrependa-se de algumas coisas que você fez também. É bonito saber que nem todas as suas decisões foram acertadas. É lindo saber que no meio de tudo o que você julgava perfeito ainda cabia uma parcela considerável de erro. O que você não fez, faça e erre. O que você fez errado, refaça e tente acertar dessa vez. Mas não me venha mais com esse heroísmo de só se arrepender do que não fez: isso é covardia velada. Eu me chamo Antônio  (via sincronizar)

(Source: tu-me-cativas, via mikasacchetin)

Deixar ir, não significa que eu não me importo. Deixar ir, não significa que eu encerrei. Só significa que parei de tentar forçar os resultados e fazer as pessoas ficarem. Significa que desisti da resistência à forma como as coisas são por um momento. Não pra sempre. Quer dizer que eu parei de tentar fazer o impossível, controlar aquilo que não posso, porque por fim, todo o mundo tem um lugar para aonde ir. Todos fazem as curvas e eu que continua na reta. Sou eu quem leva o silêncio nas costas e sinto a dor deste peso, que vai me cansando. Uma hora abandono essa estrada, faço as curvas e deixo o silencio seguir em frente. Ciceero M e Júlia.    (via calibrado)

(Source: oratoriodepoetas, via mikasacchetin)

Eu não preciso chorar para mostrar que estou triste. Nem gritar para dizer que sinto dor. Muito menos sorrir para Deus e o mundo para provar que sou feliz. Não preciso aparentar para ser, demonstrar para estar. Meu mundo acontece aqui dentro. E ele não é menor ou maior que o seu: é simplesmente o meu. Ele é meu com todas as letras, ele é meu em cada palavra, com todos os silêncios, com todos os incêndios. Eu ouvi meu choro, eu escutei meu grito, eu senti minha dor e eu gargalhei em paz sem precisar invadir o seu mundo com coisas tão minhas, com coisas tão lindas, com coisas tão findas que se repetem infinitamente: aqui dentro. Eu me chamo Antônio. (via palavrisses)

(Source: strayedd, via solicitar)